Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Little Tomodachi (ともだち)

Little Tomodachi (ともだち)

18
Out21

Queer Spooky Books!!! (Part.2)

Niel Tomodachi

Queer-Horror-Novels.jpg

1."Summer Sons" Lee Mandelo

81ZVn2FSxFL.jpg

Andrew and Eddie did everything together, best friends bonded more deeply than brothers, until Eddie left Andrew behind to start his graduate program at Vanderbilt. Six months later, only days before Andrew was to join him in Nashville, Eddie dies of an apparent suicide. He leaves Andrew a horrible inheritance: a roommate he doesn’t know, friends he never asked for, and a gruesome phantom with bleeding wrists that mutters of revenge.

As Andrew searches for the truth of Eddie’s death, he uncovers the lies and secrets left behind by the person he trusted most, discovering a family history soaked in blood and death. Whirling between the backstabbing academic world where Eddie spent his days and the circle of hot boys, fast cars, and hard drugs that ruled Eddie’s nights, the walls Andrew has built against the world begin to crumble, letting in the phantom that hungers for him.

 

2."Yellow Jessamine" Caitlin Starling

50261993.jpg

Powerful shipping magnate Evelyn Perdanu lives a tight, contained life, holding herself at a distance from all who would get close to her. Her family is dead, her country is dying, and when something foul comes to the city of Delphinium, the brittle, perilous existence she's built for herself is strained to breaking.

When one of her ships arrives in dock, she counts herself lucky that it made it through the military blockades slowly strangling her city. But one by one, the crew fall ill with a mysterious sickness: an intense light in their eyes and obsessive behavior, followed by a catatonic stupor. Even as Evelyn works to exonerate her company of bringing plague into her besieged capital city, more and more cases develop, and the afflicted all share one singular obsession: her.

Panicked and paranoid, she retreats to her estate, which rests on a foundation of secrets: the deaths of her family, the poisons and cures that hasten the dissolution of the remaining upper classes, and a rebel soldier, incapacitated and held hostage in a desperate bid for information. But the afflicted are closing in on her, and bringing the attention of the law with them. Evelyn must unearth her connection to the spreading illness, and fast, before it takes root inside her home and destroys all that she has built.

 

3."A Touch of Ruckus" Ash Van Otterloo

55977909.jpg

A chilling and heartfelt ghost story that's perfect for fans of Cassie Beasley and Natalie Lloyd.

TENNESSEE LANCASTER HAS A HIDDEN GIFT.

She can pry into folks' memories with just a touch of their belongings. It's something she's always kept hidden -- especially from her big, chaotic family. Their lives are already chock-full of worries about her dad's job and Mom's blues without Tennie rocking the boat.

But when the Lancasters move to the mountains for a fresh start, Tennie's gift does something new. Instead of just memories, her touch releases a ghost with a terrifying message: Trouble is coming. Tennie wants to ignore it. Except her new friend Fox -- scratch that, her only friend, Fox -- is desperate to go ghost hunting deep in the forest. And when Tennie frees even more of the spirits, trouble is exactly what she gets... and it hits close to home. The ghosts will be heard, and now Tennie must choose between keeping secrets or naming an ugly truth that could tear her family apart.

Magic and mayhem abound in this spooky story about family legacies, first friendships, and how facing the ghosts inside can sometimes mean stirring up a little bit of ruckus.

 

4."The Year of the Witching" Alexis Henderson

91+SxgeMzZL.jpg

A young woman living in a rigid, puritanical society discovers dark powers within herself in this stunning, feminist fantasy debut.

In the lands of Bethel, where the Prophet’s word is law, Immanuelle Moore’s very existence is blasphemy. Her mother’s union with an outsider of a different race cast her once-proud family into disgrace, so Immanuelle does her best to worship the Father, follow Holy Protocol, and lead a life of submission, devotion, and absolute conformity, like all the other women in the settlement.

But a mishap lures her into the forbidden Darkwood surrounding Bethel, where the first prophet once chased and killed four powerful witches. Their spirits are still lurking there, and they bestow a gift on Immanuelle: the journal of her dead mother, who Immanuelle is shocked to learn once sought sanctuary in the wood.

Fascinated by the secrets in the diary, Immanuelle finds herself struggling to understand how her mother could have consorted with the witches. But when she begins to learn grim truths about the Church and its history, she realizes the true threat to Bethel is its own darkness. And she starts to understand that if Bethel is to change, it must begin with her.

 

 

18
Out21

Queer Spooky Books!!! (Part.1)

Niel Tomodachi

nathan-wright-igpwuxZofgo-unsplash-scaled.jpg

1."The Witch Boy" de Molly Ostertag

51J3fGrvFKL.jpg

In thirteen-year-old Aster's family, all the girls are raised to be witches, while boys grow up to be shapeshifters. Anyone who dares cross those lines is exiled. Unfortunately for Aster, he still hasn't shifted . . . and he's still fascinated by witchery, no matter how forbidden it might be.

When a mysterious danger threatens the other boys, Aster knows he can help -- as a witch. It will take the encouragement of a new friend, the non-magical and non-conforming Charlie, to convince Aster to try practicing his skills. And it will require even more courage to save his family . . . and be truly himself.

 

2."A Dowry of Blood" S.T. Gibson

a-dowry-of-blood.jpg

A lyrical and dreamy reimagining of Dracula’s brides, A DOWRY OF BLOOD is a story of desire, obsession, and emancipation.

Saved from the brink of death by a mysterious stranger, Constanta is transformed from a medieval peasant into a bride fit for an undying king. But when Dracula draws a cunning aristocrat and a starving artist into his web of passion and deceit, Constanta realizes that her beloved is capable of terrible things. Finding comfort in the arms of her rival consorts, she begins to unravel their husband’s dark secrets.

With the lives of everyone she loves on the line, Constanta will have to choose between her own freedom and her love for her husband. But bonds forged by blood can only be broken by death.

 

3."The Lamb Will Slaughter the Lion" Margaret Killjoy

51XVFm3CiFL.jpg

Danielle Cain is a queer punk rock traveller, jaded from a decade on the road. Searching for clues about her best friend’s mysterious and sudden suicide, she ventures to the squatter, utopian town of Freedom, Iowa. All is not well in Freedom, however: things went awry after the town’s residents summoned a protector spirit to serve as their judge and executioner.

Danielle shows up in time to witness the spirit—a blood-red, three-antlered deer—begin to turn on its summoners. Danielle and her new friends have to act fast if they’re going to save the town—or get out alive.

 

4."Cemetery Boys" Aiden Thomas

41bxR7Ot6aL._SX342_SY445_QL70_ML2_.jpg

Yadriel has summoned a ghost, and now he can’t get rid of him.

When his traditional Latinx family has problems accepting his gender, Yadriel becomes determined to prove himself a real brujo. With the help of his cousin and best friend Maritza, he performs the ritual himself, and then sets out to find the ghost of his murdered cousin and set it free.

However, the ghost he summons is actually Julian Diaz, the school’s resident bad boy, and Julian is not about to go quietly into death. He’s determined to find out what happened and tie up some loose ends before he leaves. Left with no choice, Yadriel agrees to help Julian, so that they can both get what they want. But the longer Yadriel spends with Julian, the less he wants to let him leave.

 

5."The Taking of Jake Livingston" Ryan Douglass

39085455.jpg

Get Out meets Danielle Vega in this YA horror where survival is not a guarantee.

Jake Livingston is one of the only Black kids at St. Clair Prep, one of the others being his infinitely more popular older brother. It’s hard enough fitting in but to make matters worse and definitely more complicated, Jake can see the dead. In fact he sees the dead around him all the time. Most are harmless. Stuck in their death loops as they relive their deaths over and over again, they don’t interact often with people. But then Jake meets Sawyer. A troubled teen who shot and killed six kids at a local high school last year before taking his own life. Now a powerful, vengeful ghost, he has plans for his afterlife–plans that include Jake. Suddenly, everything Jake knows about ghosts and the rules to life itself go out the window as Sawyer begins haunting him and bodies turn up in his neighborhood. High school soon becomes a survival game–one Jake is not sure he’s going to win.

 

6."Mooncakes" Suzanne Walker, Wendy Xu, Joamette Gil

44774415._UY1807_SS1807_.jpg

A story of love and demons, family and witchcraft.

Nova Huang knows more about magic than your average teen witch. She works at her grandmothers' bookshop, where she helps them loan out spell books and investigate any supernatural occurrences in their New England town.

One fateful night, she follows reports of a white wolf into the woods, and she comes across the unexpected: her childhood crush, Tam Lang, battling a horse demon in the woods. As a werewolf, Tam has been wandering from place to place for years, unable to call any town home.

Pursued by dark forces eager to claim the magic of wolves and out of options, Tam turns to Nova for help. Their latent feelings are rekindled against the backdrop of witchcraft, untested magic, occult rituals, and family ties both new and old in this enchanting tale of self-discovery.

 

7."Séance Tea Party" Reimena Yee

Seance tea party - YEE, REIMENA - Compra Livros na Fnac.pt

After watching her circle of friends seemingly fade away, Lora is determined to still have fun on her own, so when a tea party leads Lora to discovering Alexa, the ghost that haunts her house, they soon become best friends.

 

8."The Dead and the Dark" Courtney Gould

transferir (1).jpg

Courtney Gould’s thrilling debut The Dead and the Dark is about the things that lurk in dark corners, the parts of you that can’t remain hidden, and about finding home in places―and people―you didn’t expect.

The Dark has been waiting for far too long, and it won't stay hidden any longer.

Something is wrong in Snakebite, Oregon. Teenagers are disappearing, some turning up dead, the weather isn’t normal, and all fingers seem to point to TV’s most popular ghost hunters who have just returned to town. Logan Ortiz-Woodley, daughter of TV's ParaSpectors, has never been to Snakebite before, but the moment she and her dads arrive, she starts to get the feeling that there's more secrets buried here than they originally let on.

Ashley Barton’s boyfriend was the first teen to go missing, and she’s felt his presence ever since. But now that the Ortiz-Woodleys are in town, his ghost is following her and the only person Ashley can trust is the mysterious Logan. When Ashley and Logan team up to figure out who—or what—is haunting Snakebite, their investigation reveals truths about the town, their families, and themselves that neither of them are ready for. As the danger intensifies, they realize that their growing feelings for each other could be a light in the darkness.

 

9."Artie and the Wolf Moon" Olivia Stephens

91mXmqZIydL.jpg

After sneaking out against her mother's wishes, Artie Irvin spots a massive wolf--then watches it don a bathrobe and transform into her mom. Thrilled to discover she comes from a line of werewolves, Artie asks her mom to share everything--including the story of Artie's late father. Her mom reluctantly agrees. And to help Artie figure out her own wolflike abilities, her mom recruits some old family friends.

Artie thrives in her new community and even develops a crush on her new friend Maya. But as she learns the history of werewolves and her own parents' past, she'll find that wolves aren't the scariest thing in the woods--vampires are.

 

10."Things Have Gotten Worse Since We Last Spoke" Eric LaRocca

71+5yKV6QqS.jpg

Sadomasochism. Obsession. Death.

A whirlpool of darkness churns at the heart of a macabre ballet between two lonely young women in an internet chat room in the early 2000s—a darkness that threatens to forever transform them once they finally succumb to their most horrific desires.

What have you done today to deserve your eyes?

 

12
Out21

Novo Super-Homem vai ser bissexual e mais ativista

Niel Tomodachi

O novo Super-Homem vai ser bissexual e empenhado em questões sociais e ambientais, como as alterações climáticas, numa banda desenhada que será lançada em novembro, divulgou hoje a editora DC Comics, uma subsidiária da Warner Bros.

Novo Super-Homem vai ser bissexual e mais ativista

O anúncio da DC Comics, que se intitula "John Kent" (filho de Clark Kent e da jornalista Lois Lane) encontrou a sua identidade (...) O novo Super-Homem parece ser bissexual", surge depois de em agosto sites especializados de banda desenhada americana avançarem com esse rumor.

"Sempre disse que todos precisam de heróis e têm o direito de se verem representados nestes heróis", justificou o autor da banda desenhada, Tom Taylor, num comunicado citado pela AFP.

O comunicado é ilustrado por uma imagem onde o filho do Super-Homem beija na boca outro jovem, um jornalista chamado Jay Nakamura.

Tom Taylor sublinha que o "símbolo do Super-Homem sempre foi a esperança, a verdade e a justiça" e que "hoje este símbolo é algo mais e que mais pessoas se podem reconhecer no super-herói mais poderoso da banda desenhada".

Outra das novidades desta nova série do Super-Homem é o facto de John Kent ser um herói muito envolvido contra as injustiças sociais, as alterações climáticas ou a crise dos refugiados.

Esta não é a primeira vez que 'comics' norte-americanos procuram estar mais em sintonia com a diversidade da sociedade.

 

12
Out21

Governo do Botsuana quer revogar a descriminalização do casamento gay

Niel Tomodachi

O Governo do Botsuana pediu hoje aos tribunais para revogarem a descriminalização da homossexualidade no país, durante uma audiência num tribunal de recurso, por considerar que se trata de uma "questão política" e não legal.

Governo do Botsuana quer revogar a descriminalização do casamento gay

Em 2019, o tribunal da capital, Gaborone, descreveu as leis que puniam as relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo como "relíquias da era vitoriana [britânica]", afirmando que "oprimem uma minoria" e ordenou a sua emenda.

A decisão foi saudada pela comunidade gay e pelas organizações não-governamentais (ONG) internacionais e africanas, sendo que a homossexualidade permanece ilegal em mais de metade dos países da África subsaariana.

Sidney Pilane, que representou o procurador-geral do Botsuana, defendeu que os direitos dos homossexuais são "uma questão política" que deve ser decidida no parlamento.

"O tribunal não está em posição de tomar tal decisão", afirmou no tribunal, citado pela agência France-Presse, acrescentando que "se os direitos dos homossexuais eram inconstitucionais no passado, continuam a ser inconstitucionais hoje".

A posição do tribunal surgiu em junho de 2019, em resposta a uma contestação contra o código penal, que desde 1965 punia a homossexualidade com até sete anos de prisão.

A África do Sul é o único país africano que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo, depois da legalização, em 2006.

 

08
Out21

AR aprova por unanimidade proibição da discriminação na doação de sangue

Niel Tomodachi

O Parlamento aprovou hoje por unanimidade a proibição da discriminação dos dadores de sangue em função da orientação sexual, numa votação sem surpresas do consenso manifestado no debate de quarta-feira.

doacao_interna_240620.jpg

As propostas do PS, BE, e da deputada não inscrita Cristina Rodrigues reuniram os votos favoráveis de todos os partidos e deputadas não inscritas. Já a iniciativa do PAN, recebeu a abstenção do CDS-PP, e o apoio dos restantes.

Os diplomas seguem agora para discussão e aprovação em especialidade, na comissão dos Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, ficando depois a faltar a votação final global.

Já na quarta-feira, quando as iniciativas estiveram em discussão, os partidos políticos com assento parlamentar concordaram na necessidade de proibir a discriminação na doação de sangue em função da orientação sexual e da identidade de género e defenderam que se fechasse de vez a porta à questão.

As propostas, apresentadas na sequência de denúncias sobre situações que persistem, da esquerda à direita do hemiciclo, preveem também a realização de campanhas de sensibilização e formação para os profissionais de saúde, e de uma campanha anual de incentivo à dádiva de sangue por parte de jovens e ao esclarecimento da população sobre a importância de doar sangue e dos critérios de elegibilidade.

Em março, a Direção-Geral da Saúde atualizou a norma que define os critérios de inclusão e exclusão de dadores de sangue, determinando que a triagem clínica "é feita de acordo com os princípios da não-discriminação".

O Instituto Português do Sangue arquivou este mês três processos de inquérito a profissionais por alegadas práticas discriminatórias na doação de sangue de homens homossexuais, entendendo não haver factos que justifiquem infração disciplinar.

 

07
Out21

“Solteiro Até no Natal”: vem aí o primeiro filme natalício gay da Netflix

Niel Tomodachi

"Solteiro Até no Natal" estreia a 2 de dezembro. A história acompanha dois amigos que fingem ser um casal para agradar aos pais.

Decorações, música e filmes: estes são os principais elementos que marcam o natal de todos os anos. Até agora, estas histórias de natal, muitas vezes comédias românticas, eram protagonizadas por um casal heterossexual. Estando Hollywood a tornar-se numa indústria cada vez mais inclusiva, vai estrear a 2 de dezembro o primeiro filme de natal cuja história gira em torno de nada mais nada menos que um casal gay.

Em “Solteiro Até no Natal” vamos acompanhar Peter (Michael Urie) que persuade o seu melhor amigo Nick (Philemon Chambers) a voltar para casa durante a época festiva, para que possam fingir ser um casal, visto que a família de Peter está sempre a chateá-lo para arranjar um namorado. Claro que sendo o filme uma comédia romântico, tem de haver um contratempo: a mãe de Peter, Carole (Kathy Najimy) está a planear juntar o filho ao seu professor de spin, James (Luke MacFarlane).

“Podem esperar ostentação, vinho, Pais Natais sexy, um pouco de mentira, muitas boas ações e a Jennifer Coolidge“, diz Michael Urie num email citado pela “Entertainment Weekly”. “Os meus pais são interpretados pelo Barry Bostwick e Kathy Najimy — uma combinação que cientistas acreditam que só poderia criar filhos que são gays e que adoram o Natal. O Nick é o tipo de tio gay que passou vários natais a aperfeiçoar uma coreografia para uma música de Natal da Britney Spears com os seus sobrinhos. E é perfeita”, adianta o ator. “É a coisa mais gay que já aconteceu no Natal desde a Mariah Carey”, conclui.

A Netflix já confirmou quatro outros filmes de natal que chegam ao catálogo este ano: “A Princesa e a Plebeia 3”, “Um Castelo de Natal”, “Um Rapaz Chamado Natal” e “A 1000 Km do Natal”.

 

26
Set21

Suíços votaram a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo

Niel Tomodachi

A maioria dos suíços, 64,1%, votou hoje, em referendo, favoravelmente ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, alinhando a nação alpina com muitas outras na Europa Ocidental.

Suíços votaram a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo

Os resultados oficiais mostraram que a medida foi aprovada com os votos a favor de 64,1% dos eleitores e a maioria favorável à medida foi alcançada em todos os 26 cantões, ou estados da Suíça.

O parlamento suíço e o Conselho Federal, no governo, apoiaram a medida "Casamento para Todos". A Suíça tem autorizado as uniões de facto entre pessoas do mesmo sexo, desde 2007.

Os apoiantes da medida votada hoje disseram que esta vitória colocaria os parceiros do mesmo sexo em pé de igualdade com os casais heterossexuais, permitindo-lhes adotar filhos juntos e facilitaria a cidadania dos cônjuges do mesmo sexo. Permitiria também aos casais lésbicos utilizar a doação de esperma regulamentada.

Os opositores acreditam que a substituição das uniões civis por direitos matrimoniais plenos mina a família com base numa união entre um homem e uma mulher.

Hoje, numa mesa de voto em Genebra, a eleitora Anna Leimgruber disse que votou "não" porque acreditava que "as crianças precisariam de ter um pai e uma mãe".

Já Nicolas Dzierlatka, que votou "sim", disse que o que as crianças precisam é de amor.

"Penso que o que é importante para as crianças é que sejam amadas e respeitadas - e penso que há crianças que não são respeitadas ou amadas nos chamados casais 'hetero'", afirmou.

A campanha foi cheia de alegações de táticas injustas, com os lados contrários a decretarem a destruição de cartazes, linhas diretas LGBT a serem inundadas de queixas, 'e-mails' hostis, insultos gritados contra os ativistas e esforços para silenciar pontos de vista opostos.

A Suíça, que tem uma população de 8,5 milhões de habitantes, é tradicionalmente conservadora e só alargou o direito de voto a todas as mulheres em 1990.

A maioria dos países da Europa Ocidental já reconhece o casamento entre pessoas do mesmo sexo, enquanto a maioria dos países da Europa Central e Oriental não permite o casamento envolvendo dois homens ou duas mulheres.

Os apoiantes dizem que ainda podem passar meses até que os casais do mesmo sexo possam casar, principalmente devido a procedimentos administrativos e legislativos.

Também hoje, os eleitores rejeitaram uma proposta liderada por grupos de esquerda para aumentar os impostos sobre os rendimentos de investimentos e capital, tais como dividendos ou rendimentos de propriedades de arrendamento na Suíça, como forma de assegurar uma melhor redistribuição e uma tributação mais justa.

Os resultados mostraram que 64,9% dos votos foi contra esta medida, num país conhecido por ter um setor financeiro vibrante e impostos relativamente baixos, e como um paraíso para muitas das pessoas mais ricas do mundo. Em nenhum cantão suíço houve uma maioria de votos a favor.

 

10
Set21

Risco de suicídio é três vezes maior em jovens homossexuais ou bissexuais

Niel Tomodachi

Os jovens homossexuais ou bissexuais têm uma probabilidade três vezes maior de cometer suicídio nalguma altura da sua vida, uma possibilidade que aumenta quando a família não aceita a sua orientação sexual, segundo dados hoje divulgados.

34222376.jpg

Os dados constam de um documento com 28 páginas da Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP), com o título 'Vamos falar sobre o suicídio', lançado a propósito do Dia Mundial da Prevenção do Suicídio, assinalado hoje.

"Um dos fatores que pode espoletar estes comportamentos de suicídio são de facto este desajustamento que a pessoa sente relativamente à aceitação da família quando há questões de orientação sexual ou de identidade de género", disse à agência Lusa Renata Benavente, da OPP.

A psicóloga explicou que, quando existem estas "dificuldades acrescidas, sobretudo nestas fases de desenvolvimento que são críticas, da estruturação da personalidade, de aceitação de si próprio", a situação agrava-se.

"A adolescência por si só, e os números mostram isso, já é uma fase difícil em que há um número crescente de suicídios. Se essas dificuldades que são expectáveis da adolescência se associam a outros fatores de risco, nomeadamente a identidade sexual, a não aceitação por parte da família da sua orientação sexual, todas essas dificuldades naturalmente vão aumentar o risco de suicídio", sublinhou.

No seu entender, é um grupo de jovens e de pessoas que deve merecer uma particular atenção.

Alertou também para "uma problemática muito preocupante" que é o suicídio entre a população mais jovem, a segunda causa de morte entre os jovens em todo o mundo entre os 15 e os 34 anos.

"A primeira {causa] são as mortes por acidente e a segunda é o suicídio, o que nos leva a refletir sobre porque é que os jovens estão a tomar este tipo de decisão de retirar a própria vida", sublinhou.

Em Portugal, o número de mortes por suicídio "é elevado", com as estatísticas mais recente a apontarem para três mortes por dia poe esta causa.

No mundo, morrem quase 800 mil pessoas por suicídio anualmente, o que corresponde aproximadamente a uma morte a cada 40 segundos.

"A maior parte das pessoas que morreu por suicídio sofria de problemas de saúde psicológica, nomeadamente depressão e consumo problemático de álcool", refere o documento.

Por outro lado, apontou Renata Valente, a investigação internacional também mostra que o número de tentativas é 25 vezes superior ao número de suicídios consumados.

"As tentativas de suicídio e os suicídios são um grande desafio em termos da saúde pública e resultam normalmente de situações de grande sofrimento emocional e têm um impacto muito importante, quer pela perda de vidas humanas", quer nos "sobreviventes".

"Cada suicídio pode deixar entre seis a 10 pessoas sobreviventes", como pais, irmãos, filhos, amigos, conhecidos, vizinhos, colegas da pessoa que morreu e profissionais de saúde, refere a publicação.

Sobre o documento, Renata Benavente explicou que o objetivo principal é abordar as temáticas do suicídio e promover a literacia em saúde, "ajudando a população em geral a identificar alguns sinais que possam remeter para alterações que indiciam um eventual comportamento desta natureza".

"Para muitas é apenas um escape para uma situação transitória que não se consegue lidar de uma forma mais impulsiva e se estivermos atentos a este tipo de indicadores poderemos realmente atuar no sentido de ajudar esta pessoa a aliviar este sofrimento interno e não consumar um ato desta natureza", salientou.

O documento debruça-se também sobre os motivos que podem conduzir ao suicídio, os fatores de risco e proteção, faz recomendações sobre o que se pode fazer e tem uma secção dedicada aos mitos e factos e outra aos sinais de alerta.

 

11
Ago21

"Maurice" de E. M. Forster

Niel Tomodachi

“És a única pessoa bela que vi na vida. Adoro a tua voz e tudo o que tem a ver contigo, até as tuas roupas ou a divisão onde estás sentado. Adoro-te.”

1507-1.jpg

Sobre o Livro:

Da adolescência aos anos da universidade, em Cambridge, e à vida profissional na firma do seu pai, Maurice Hall representa o papel do homem inglês convencional. Mas por baixo da fachada de conformidade, Maurice sonha poder libertar-se das amarras da sociedade e assumir a sua verdadeira identidade.

O primeiro amor de Maurice, Clive Durham, apresenta-o aos gregos antigos e à beleza da atração pelo mesmo sexo. Para Clive, a relação entre os dois é uma forma elevada do amor, uma relação puramente platónica, sem espaço para intimidade física.

Quando Clive casa com uma mulher, Maurice fica devastado. Incapaz de seguir o mesmo percurso, procura um hipnotista que o possa curar da homossexualidade. Neste confronto entre solidão, vergonha e busca pela felicidade, Maurice acaba por se revoltar contra as regras tácitas da sociedade em que vive.

 

Sobre o Autor:

E. M. Forster (1879-1970) é sobretudo reconhecido e admirado por obras como Um Quarto com Vista (1908), Howards End (1910) e Passagem para a Índia (1924), e pela controversa publicação póstuma de Maurice (1971), romance que desvenda e exalta o amor homossexual. Da adolescência no Surrey aos estudos no King’s College e à sua ligação ao Grupo de Bloomsbury, cedo se norteou pela crença na plena realização e na liberdade do homem, capaz de desarmar as hipocrisias do puritanismo e da sociedade britânica da época. Pacifista e objetor de consciência na Primeira Guerra Mundial, fez serviço cívico na Cruz Vermelha e visitou o Egipto, tendo travado amizade com o poeta Konstandinos Kavafis em Alexandria. Foi membro da Union of Ethical Societies e famoso pelas suas intervenções na rádio em defesa de reformas sociais e da liberdade de expressão.

 

08
Ago21

Hungria restringe vendas de livros infantis com temática LGBT

Niel Tomodachi

Livros infantis vistos como promoção da homossexualidade pelo governo deverão ser vendidos em embalagens fechadas

50141_C96BD0F95A3B4A41.jpg

A Hungria determinou nesta sexta-feira (6) que os comércios vendam livros infantis vistos como promoção da homossexualidade em "embalagem fechada", intensificando as restrições que colocaram o primeiro-ministro Viktor Orban em conflito com grupos de direitos humanos e a União Europeia.

O decreto também incluiu livros vistos como divulgação de mudança de gênero e contendo representações "explícitas" da sexualidade. A medida determina que as lojas realizem as vendas separadamente e proíbe qualquer comercialização a menos de 200 metros de uma escola ou igreja.

A ordem é a primeira do que se espera ser uma série de diretrizes descrevendo as implicações de uma lei aprovada em junho que proíbe o uso de materiais vistos como divulgação da homossexualidade e da redesignação de gênero nas escolas.

A Comissão Europeia lançou uma ação legal contra o governo nacionalista de Orban por causa da legislação, alegando que ela é discriminatória e viola os valores europeus de tolerância e liberdade individual.

Orban, no poder desde 2010 e enfrentando uma eleição desafiadora no próximo ano, tornou-se cada vez mais radical na política social em uma cruzada autoproclamada para salvaguardar o que, segundo ele, são valores cristãos tradicionais do liberalismo ocidental.

Em julho, a Hungria multou o distribuidor de um livro infantil sobre as "famílias arco-íris", do mesmo sexo, sob uma lei que proíbe práticas comerciais desleais.

O governo de Orban diz que a nova lei visa proteger as crianças e deixar que os pais conduzam a educação sobre a sexualidade.

Vários grupos de direitos humanos afirmaram que a lei confunde erroneamente pedofilia e pornografia com questões LGBT. Ursula von der Leyen, chefe da Comissão Executiva da UE, chamou isso de "desonra".

Uma pesquisa da Ipsos realizada em julho mostrou que 46% dos húngaros apoiam o casamento entre pessoas do mesmo sexo. No mês passado, milhares de húngaros se juntaram à marcha anual do Orgulho de Budapeste para protestar contra a lei.

A ação legal da Comissão Europeia contra a Hungria e um movimento separado contra a Polônia são a última tentativa em um choque de culturas entre Bruxelas e alguns dos mais novos membros da UE na Europa Oriental em uma série de questões centrais, incluindo o Estado de Direito e a liberdade de imprensa.

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Quotes:

“How wonderful it is that nobody need wait a single moment before starting to improve the world.” ― Anne Frank

Pesquisar

Nelson's bookshelf: currently-reading

Alfie - O Gato do Bairro
tagged: currently-reading

goodreads.com

2022 Reading Challenge

2022 Reading Challenge
Nelson has read 0 books toward his goal of 50 books.
hide

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Afiliado Wook

WOOK - www.wook.pt

Comunidade Bertand

Afiliado Miniso

Read the Printed Word!

Em destaque no SAPO Blogs
pub