Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Little Tomodachi (ともだち)

Little Tomodachi (ともだち)

30
Jun22

A aplicação que o leva a descobrir as praias e tesouros escondidos da Costa Vicentina

Niel Tomodachi

O percurso começa em Sines e termina em Burgau. Inclui mais de 20 praias secretas e mais de 250 quilómetros de estrada.

Mesmo quem se orgulha de conhecer muito bem o território nacional, não poderá afirmar com absoluta certeza que já conhece todos os recantos de Portugal. Provavelmente ainda terá muito para descobrir pelo País. Embora seja pequeno, tem vários tesouros escondidos, e a nova rota da Letzgo Travel quer dar a conhecer uma região cheia de encantos: a Costa Vicentina.

É a experiência perfeita para quem deseja viajar ao seu próprio ritmo e ideal para todos que gostam de passear de carro com os amigos e família. Começa em Sines e termina no Burgau.

No total, inclui mais de 40 pontos de interesse, mais de 20 praias secretas e uns impressionantes 250 quilómetros de estrada. Todo o percurso é feito com recurso a um assistente virtual que lhe irá dizer por onde deve ir, o que está a ver e que lhe contará alguns dos segredos bem guardados desta zona.

A rota pela Costa Vicentina custa 25€ na aplicação, mas os primeiros 500 novos utilizadores a descarregarem a app recebem-na de graça. A Letzgo Travel é gratuita e está disponível para os sistemas operativos Android e iOS

 

26
Jun22

Sabia que pode ser pago para andar? Com estas apps é possível

Niel Tomodachi

Pode transformar passos em euros ou ainda doar o dinheiro a instituições de caridade. Saiba como ser pago para andar.

Pago para andar

Se está a despender energias, então merece ser pago. Este é o conceito destas aplicações, que tornam possível rentabilizar, financeiramente, uma caminhada ou qualquer atividade física. Ou seja, que seja pago para andar.

Num contexto em que os gadgets e os dispositivos móveis já se tornaram uma extensão do nosso próprio corpo, não é de estranhar que possamos lucrar com uma caminhada matinal, um passeio de bicicleta, umas braçadas na piscina ou um qualquer circuito de treino. Isto claro, desde que estejamos ligados à rede.

Tempo é, de facto, dinheiro e, por isso, não se esqueça de tomar nota destas apps que tornam possível que seja pago para andar. Se ainda precisava de motivação para começar a fazer algum exercício físico, porque não aproveitar esta oportunidade? Não vai ficar milionário, mas sempre é uma ajuda para pequenas despesas. E, se preferir, até o pode doar a instituições de caridade.

 

SER PAGO PARA ANDAR: 3 APPS A EXPERIMENTAR

1.Sweatcoin

Sweatcoin é uma aplicação móvel que recompensa a sua atividade física como uma moeda virtual da própria app.

A aplicação é gratuita, mas estabelece um limite de caminhada por dia, convertendo cada 1000 passos numa moeda própria. Posteriormente, pode utilizar o saldo para fazer compras no marketplace da app ou para doar a instituições de caridade. Esta app está disponível para  iOS e o Android.

 

2.WeWard
 

Lançada em 2019, a app WeWard também recompensa os seus utilizadores pelos quilómetros percorridos ou por metas alcançadas no seu plano de atividade física.

A recompensa varia conforme o nível de atividade física e é paga em Wards, o nome da moeda virtual da própria aplicação.

Estas moedas podem ser convertidas em descontos, brindes, presentes ou até mesmo em dinheiro, que é depositado na sua conta bancária. Está disponível para IOS e Android.

 
 

3.sMiles

A app sMiles recompensa a sua atividade física e outras atividades do seu dia-a-dia com frações de Bitcoin, denominadas de “sats” (diminutivo de “satoshis”). Para ter uma noção, existem 100 milhões de “sats” numa Bitcoin.

À medida que vai acumulando “sats” pode ir trocando por compras nas lojas associadas à aplicação. Está disponível para IOS e Android.

 

24
Jun22

Nutripal: a nova app portuguesa que descodifica os rótulos dos alimentos num segundo

Niel Tomodachi

É quase como ter acesso a um nutricionista 24 horas por dia, que compara, descodifica e identifica os produtos mais saudáveis.

Ir ao supermercado em busca dos alimentos processados mais saudáveis pode ser uma verdadeira aventura. Há mil e uma opções ditas fit e nem sempre a escolha menos calórica ou com os ingredientes na moda são as mais indicadas. Por isso, o melhor é decifrar os rótulos, os carimbos e os selos das embalagens. Porém, essa tarefa também não é simples. Se faz parte do grupo de pessoas que não consegue perceber os nomes esquisitos da listas dos ingredientes, a sua vida acabou de ficar facilitada com a nova app portuguesa de nutrição. 

Chama-se Nutripal e foi desenvolvida com o intuito de ajudar a analisar os rótulos dos alimentos e a conhecer os produtos mais saudáveis. Nuno Veloso e Manuel Pereira, programadores e estudantes do Mestrado em Engenharia são responsáveis pelo projeto que tornou um processo complexo em algo automático e muito fácil. Basta descarregar a app, apontar o decifrador de rótulos e num segundo tem as respostas que precisa para avaliar se um determinado produto faz sentido na sua alimentação. 

Nuno Veloso, natural da Madeira explica à NiT que a app nasceu desta necessidade de ter uma ferramenta que ajudasse a descodificar e identificar melhor os produtos que compramos e comemos. “Atualmente existe muita informação que muitas vezes se torna confusa e contraditória”, explica o programador de 24 anos.

A Nutripal tem uma tecnologia muito intuitiva e fácil de usar, que integra diferentes ferramentas. Esta aplicação permite, essencialmente, fazer scan a um produto (num supermercado, ou noutro lugar), ficar a conhecer o seu score nutricional e descobrir se é uma escolha saudável, sem necessitar de ler e analisar o rótulo. Permite também comparar vários produtos no supermercado e saber qual é a melhor escolha, ou, através da listagem, saber imediatamente quais são os produtos mais saudáveis que pode comprar.

O responsável adianta ainda que a aplicação está dividida em três grandes funcionalidades: “A listagem com mais de 2.000 produtos é para quando queremos consultar o score de cada produto, mas não o temos connosco. O comparador que permite comparar alimentos da mesma categoria para perceber qual o mais saudável. E o descodificador que permite, como o nome indica, descodificar a tabela nutricional. Este pode ser automático através da digitalização com a câmara do telefone, ou manual com a inserção dos valores de açúcar, lípidos e sal”.

O utilizador pode apenas fazer scan do código de barras do produto, e a aplicação atribui um score e indica se o mesmo é baixo, médio ou alto em açúcares, sal e gorduras. Além de ajudar quem está em processo de perda de peso ou reeducação alimentar, pode ser utilizada por pessoas hipertensas para encontrarem os alimentos com menos sal, ou, por exemplo, por pessoas diabéticas para encontrarem os produtos com menos açúcares.

Neste momento a app só está disponível na Play Store, para o sistema operativo Android, mas em breve chegará também à App Store, para os utilizadores Apple. 

 

09
Jun22

Puppr: Esta app vai ajudá-lo a treinar o seu cão

Niel Tomodachi

Dos mais básicos aos mais complexos, ensine ao seu cão todos os truques que conseguir e partilhe na app os resultados do treino

Se tem um cão, certamente já gastou muito do seu tempo a tentar ensiná-lo. Seja um simples “senta” ou um “fica”. A verdade é que nem sempre é tarefa fácil, seja porque nem todos os cães aprendem comandos com a mesma facilidade, seja porque nem todos somos especialistas em treino canino.

A Puppr, uma aplicação para telemóveis, existe para o ajudar nesta tarefa que tanta paciência requer. A ideia nasceu com a colaboração entre um casal de programadores, Michael e Alice, e uma das mais cobiçadas treinadoras de cães do mundo, Sara Carson.

Michael e Alice contam que, quando arranjaram o seu primeiro cão, procuraram online como o ensinar, e depararam-se com os vídeos virais de Sara Carson com os seus Border Collies a fazer todo o tipo de acrobacias. “O mais impressionante foi ver a capacidade da Sara de explicar os passos todos daqueles truques tão complexos e apenas usando técnicas de treino de reforço positivo”, explica Alice.

O casal entrou em contacto com a treinadora através do Instagram na tentativa de perceber se estaria interessada em criar uma app em conjunto e partilhar os seus treinos com todos os donos de cães pelo mundo fora. Assim nasceu a Puppr.

Na Puppr vai encontrar vídeos-aula com explicações passo a passo de mais de 100 truques diferentes, desde ensinar a fazer as necessidades no sítio certo até acrobacias complexas como o pino ou saltos 360º.

Em qualquer página vai encontrar um botão que, quando pressionado, emite o som de um clicker, um aparelho muito utilizado no treino de reforço positivo que habitua os cães a ouvir um som específico quando cumprem alguma tarefa que lhes é proposta. Habituando-os a ouvir esse som no momento em que recebem um biscoito acaba por se tornar numa recompensa, mesmo quando deixa de haver biscoito.

A aplicação é gratuita mas, aqueles que optarem pela subscrição mensal de 13,99€ ou a anual de 69,99€, têm direito a chat ao vivo com a equipa de treinadores certificados da Puppr.

Existe também a possibilidade de partilhar fotografias do seu cão a mostrar os truques que aprendeu com a comunidade Puppr, registar o progresso do patudo através de medalhas obtidas à medida que vai progredindo e ainda ativar alarmes para o relembrar de quando tem que ir à rua ou começar mais uma sessão de treino.

 

Treine com uma das melhores do mundo

Imediatamente após lançar a Puppr, Sara Carson participou no America’s Got Talent com um dos seus cães, o Hero. As incríveis exibições de ambos valeram-lhes o 5º lugar no maior concurso de talentos do mundo. Acrescentando ao palmarés desta equipa, está o recorde do Guinness para mais truques realizados em apenas 1 minuto, uns impressionantes 49.

 

09
Mai22

A nova app que facilita a vida aos turistas que visitam o norte do País

Niel Tomodachi

Explorar o mapa da região, pesquisar ofertas turísticas por categorias e consultar informações são algumas das funções da app.

Vivemos numa era digital na qual os telemóveis raramente ficam esquecidos em casa, uma realidade que permitiu a criação de múltiplas aplicações que salvam qualquer um em momentos de maior desespero. Como, por exemplo, visitar uma nova cidade e não saber por onde começar. 

A nova app portuguesa WeDoVisit, recentemente lançada e apresentada na BTL ‒ Bolsa de Turismo de Lisboa, ajuda precisamente os turistas ‒ nacionais e estrangeiros ‒ a conhecerem os pontos de referência do norte do País. A um clique de distância, podem definir o plano da visita e ter acesso a uma experiência mais personalizada. 

“A WeDoVisit foi pensada para dar resposta a uma nova forma de fazer turismo, tendo em conta as mais recentes tendências de mercado e o novo perfil de visitante que se começa a afirmar. Uma forma mais autónoma e pessoal de viajar onde cada um assume as rédeas da sua estadia e define os seus planos de passeio, propondo-se a conhecer o destino ao seu ritmo e privilegiando as ofertas que mais se adequam às suas motivações e interesses”, lê-se no comunicado.

Com esta aplicação os utilizadores podem explorar o mapa da região selecionada, consultar informações sobre os principais pontos de interesse, pesquisar ofertas turísticas por categorias e guardar os locais favoritos. O grande destaque da plataforma é a possibilidade de poder responder a um pequeno questionário para conhecer as preferências pessoais de cada um. Assim, o visitante consegue encontrar um conjunto de artigos e sugestões sobre o que pode fazer e visitar. 

Depois de instalar a WeDoVisit, o primeiro passo é escolher o destino que pretende visitar: Porto, Minho, Douro e Trás-os-Montes. De seguida, pode escolher as várias categorias disponíveis: alojamento, atividades ao ar livre, desportos, gastronomia e vinhos, património, saúde e bem estar, serviços, tours, transportes, vida noturna, arte e cultura e outras informações úteis. 

“O que o inspira nas suas viagens? Uma paisagem, uma história, um sabor ou um sentimento?” ou “o que mais gosta de fazer?”, são algumas das questões que a aplicação coloca aos seus utilizadores. Com base nas respostas, o utilizador recebe uma lista de opções que vão ao encontro às suas preferências. 

O projeto apresenta-se como a app oficial da região norte, que será promovida em toda a rede de postos de turismo da região, do Porto ao Minho, e do Douro a Trás-os-Montes. A ideia é “colocar a inovação digital ao serviço dos turistas” e dar a conhecer locais menos convencionais e tradicionalmente menos visitados, como as zonas do interior. 

“Sendo um setor que ainda está a dar os primeiros passos nesta área,o potencial de oportunidades que podem ser exploradas é enorme. Desde logo, a segmentação de ofertas e a dinâmica de apresentação de sugestões personalizadas, em função dos perfils e das características, são alguns dos benefícios mais evidentes que esta aplicação vem proporcionar, não apenas aos utilizadores, mas também aos parceiros deste projeto”, explica Ana Bessa, a responsável de marketing da WeDoVisit.

aplicação é gratuita e os conteúdos estão disponíveis em português e em inglês para os sistemas Android e iOS. 

 

04
Mai22

sunday: a nova plataforma para fazer pagamentos em segundos nos restaurantes

Niel Tomodachi

Já estava presente em vários países e acabou de chegar em Portugal. Neste caso, nem precisa de chamar o empregado. É tudo online.

Fazer o sinal de conta com a mão, chamar o empregado para trazer o Multibanco ou esperar pelo troco, são tudo ações que em segundos ficam resolvidas na sunday. A plataforma que possibilita uma nova forma de pagamentos rápidos em restaurantes chegou a Portugal. Já está presente em mais de 200 espaços do País e o objetivo é continuar a crescer, com várias funcionalidades super práticas.

“A sunday veio para Portugal porque os restaurantes assim o pediram”, começa por explicar à NiT Tiago Correia, country launcher da empresa para o País. Esta é uma marca francesa, fundada em 2020, que já se encontra em oito mercados: Canadá, França, Reino Unido, Espanha, Itália, Bélgica, Estados Unidos, e desde abril também em Portugal.

Através de um simples QRCode inscrito na mesa, os clientes têm acesso à conta e podem fazer o pagamento assim que o desejarem, sem chamar qualquer empregado. “A sunday chegou aos ouvidos da restauração no País. Recebemos vários pedidos para a lançar em Portugal”.

A plataforma quer revolucionar a forma como são feitos os pagamentos nos restaurantes. “Esta é uma renovação na forma como pagamos a conta. Existe sempre o esperar no final da refeição e em 10 segundos cada pessoa depende de si para pagar. É tudo feito no telefone.”

Nos restaurantes aderentes, cada mesa tem um QRCode único com acesso direto a tudo o que foi pedido. A qualquer altura da refeição é possível fazer o scan e perceber o que já foi gasto. Além do pagamento total, existe a hipótese do pagamento faseado, por itens — uma ajuda quando os grupos são maiores —, e até dar alguma gratificação pelo serviço que foi prestado.

No caso da sunday, não precisa de descarregar nenhuma aplicação ou registar-se. O scan abre diariamente a página no motor de busca que usa no telemóvel. Depois, só terá de juntar uma forma de pagamento. Pode ser feito através da Apple Pay, Google Pay ou com cartão de crédito. Na prática, é como se estivesse a fazer uma compra online.

Neste momento, a plataforma já se encontra disponível em 200 restaurante do País. “Estamos em Lisboa, Cascais, Oeiras, Évora e na Comporta, onde queremos associarmo-nos a mais espaços”. O próximo passo é a chegada ao Porto. Já existe um objetivo traçado até ao final do ano.

“Queremos estar com a sunday em 500 restaurantes até ao final de 2022. Onde existir procura, nós vamos”, continua Tiago Correia. Por exemplo, na zona de Lisboa, já é possível fazer pagamentos desta forma nos restaurantes Descarado, Memória, A Casa do Bacalhau e Acaso.

O projeto começou a ser testado ainda em 2020, numa altura em que os restaurantes começaram  pensar em alternativas para fazer um pagamento com o mínimo contacto possível entre empregados e clientes.

Um ano após o lançamento oficial, a sunday conta já com seis mil restaurantes associados em todo o mundo. Segundo a marca, este processo de facilitar os pagamentos permite que sejam poupados 15 minutos à mesa. Também houve o registo do aumento de 40 por cento das gorjetas nos espaços associados.

 

26
Mar22

Apps para bem comer, crescer ou encolher

Niel Tomodachi

Ter uma alimentação equilibrada pode ser uma tarefa mais fácil com a ajuda de aplicações. Recursos e ferramentas à mão para quem quer gerir o peso ou simplesmente ter uma vida mais saudável.

Sabemos que comer de forma saudável não é fácil. Sabemos que o que comemos influencia a forma como nos sentimos. E sabemos também que, na hora de cozinhar, o cansaço manifesta-se e as opções são quase sempre as mesmas. E nem sempre as melhores. Os resultados estão à vista: dois terços dos portugueses têm excesso de peso ou obesidade.

Agora, as boas notícias. Há aplicações (apps) que ajudam a ter, e a manter, uma alimentação saudável. Disponibilizam ferramentas e recursos, como receitas saudáveis carregadas de valor nutricional, capazes de nos ajudar a atingir as metas de forma mais fácil e rápida e a manter o corpo mais saudável.

Na escolha da aplicação, é importante ter em conta os objetivos. Perda de peso ou contagem de calorias são dois dos grandes focos da maior parte das aplicações, mas também há recursos para quem precisa aumentar de peso. Outras, por sua vez, focam-se mais na educação para uma alimentação nutricionalmente mais consciente. Há, também, apps para quem tem condições particulares, como alergias alimentares ou necessidade de uma dieta específica e/ou restritiva, grávidas ou até mesmo pessoas que têm as suas preferências e não querem abdicar delas.

Depois de escolher a aplicação mais adequada ao perfil e necessidades, é importante verificar quanto custa. Enquanto algumas apps são totalmente gratuitas, outras há que, para desbloquear algumas funcionalidades, necessitam de pagamento. Se possui um smartwatch desportivo, convém também confirmar a compatibilidade com a app escolhida. E bom apetite!


Aplicações:

 

Lifesum

Recursos gratuitos: um plano de refeição, calculadora de calorias, diário de refeições.
Mais-valia: fácil de usar, excelente suporte para restrições alimentares, preço baixo.
Versão premium: Doze receitas, informação nutricional incluída.
(5,49 euros/mês)

 


MyFitnessPal

Recursos gratuitos: registo de refeições e atividades, definição de metas, acompanhamento do progresso, calculadora de calorias.
Mais-valia: permite definir metas diferentes com base no dia da semana e ter objetivos personalizados de ingestão de calorias para cada refeição.
Versão premium: Conteúdos exclusivos, como vídeos motivacionais curtos e exemplos de exercícios. (9,99 euros/mês)

 

 

HealthifyMe

Recursos gratuitos: gestão diária de calorias, exercícios, rastreador de lavagem das mãos, monitorização do sono, contador de passos.
Mais-valia: vídeos de exercícios em casa sem equipamento, ioga.
Versão premium: planos personalizados por treinadores especializados e treinos adaptados. (9,04 euros/mês)

 


Lose it! Calorie Counter

Recursos gratuitos: planeamento de refeições, planos de treino.
Mais-valia: monitorização do sono, percentagem de gordura corporal, glicemia.
Versão premium: monitorização de macronutrientes, ingestão de água, pressão arterial.
(7 euros/mês durante três meses)

 

22
Fev22

App pioneira e gratuita quer ajudar a saber mais sobre saúde mental

Niel Tomodachi

Uma equipa constituída por doze pessoas da Escola de Medicina da Universidade do Minho, liderada pelo psiquiatra Pedro Morgado, desenvolveu uma aplicação gratuita para aumentar a literacia em saúde mental e promover a sua prevenção.

App pioneira e gratuita quer ajudar a saber mais sobre saúde mental

Desenvolvido durante a primeira vaga da pandemia, o projeto começou por assumir a forma de um site, com as mesmas funcionalidades, e deu agora o salto para uma aplicação de telemóvel. A app foi concebida não com "a perspetiva de tratamento de doenças, mas sim de prevenção e de disseminação de informação com vista à literacia em saúde mental", e pretende, acima de tudo "que as próprias pessoas sejam promotores ativos da sua saúde mental", contou Pedro Morgado ao JN.

A aplicação "P5 Saúde Mental" é pioneira em Portugal e já está disponível para download em Android e IOS de forma gratuita. A gratuidade da aplicação será sempre mantida, garantiu Pedro Morgado, e tem apenas fins de "disseminação do conhecimento" e "capacitação das pessoas".

 

Como funciona?

​​​​​​Depois da pessoa responder a dois questionários disponíveis na aplicação, o utilizador recebe um "feedback em função daquilo que foram as suas respostas e a indicação dos locais onde pode encontrar essa ajuda", como serviços locais e linhas de apoio à saúde mental do SNS.

"Não são recolhidos nenhuns dados pessoais" dos utilizadores durante todo o processo, garante Pedro Morgado. "Não há qualquer processo de registo" e o questionário é realizado de forma "absolutamente anónima e confidencial", sublinhou.

Depois de preenchidos os questionários, a aplicação informa as pessoas do "seu nível de sintomas e se devem ou não procurar ajuda de um profissional de saúde. Não é nem uma aplicação de tratamento nem uma aplicação de diagnóstico (...). É mais uma monitorização dos sinais de sofrimento", contou o psiquiatra.

Além de permitir a monitorização da saúde mental do utilizador, a aplicação promove também "uma série de técnicas, que [os utilizadores] podem implementar, para promoverem o seu bem estar", tais como melhores hábitos de sono, contou Pedro Morgado.

A longo prazo, o objetivo é melhorar a aplicação através de "mais módulos informativos". Neste momento estão disponíveis seis módulos informativos, mas a ideia é abranger "outras áreas que não estão ainda cobertas", como lidar com uma situação de luto e outras áreas em que é importante promover a literacia em saúde mental.

Esta é a primeira ferramenta do género e "única em Portugal". Foi construída pela Escola de Medicina e o seu centro de investigação, em parceria com o Centro de Medicina Digital P5.

 

06
Jan22

VeggieKit: a nova aplicação portuguesa para quem quer seguir uma dieta vegetariana

Niel Tomodachi

Junta várias receitas, dicas e sugestões de nutricionistas. Já pode ser descarregada para telefones com sistema Android.

Receitas, dicas para ir às compras e vídeos com nutricionistas. A nova app nacional tem tudo o que precisa para seguir uma dieta à base de vegetais e sem consumo de carne. Chama-se VeggieKit e foi criada pela Associação Vegetariana Portuguesa (AVP). Já está disponível para os sistemas Android e em breve também para iOS. 

A criação deste projeto veio na sequência de um estudo publicado no final de 2021 que revelou um aumento de pessoas em Portugal que estão a reduzir no consumo de carne. Uma das conclusões do “The Green Revolution” indica ainda que mais de um milhão de portugueses consome pouca ou mesmo nenhuma carne. 

A aplicação foi pensada tanto para vegetarianos, veganos ou para quem tem alguma curiosidade neste tipo de alimentação. A VeggieKit junta mais de 150 receitas com todos os passos de que precisa para as preparar.

Tem dicas de nutricionistas e várias receitas.
 
 

Lasanha com cogumelos, pizza quatro estações, creme de abóbora e caril de vegetais são algumas das sugestões para experimentar. As receitas estão divididas em propostas de sopas, para almoço e jantar, pequeno-almoço e até sobremesas.

Vai encontrar também uma série de dicas para pôr em prática da próxima vez que for ao supermercado, artigos com nutricionistas e até algumas notícias sobre o mundo do vegetarianismo. É ainda possível deixar questões que serão respondidas por um dos especialistas. A Associação Vegetariana Portuguesa existe desde 2006.

 

14
Out21

Descobrir Portugal a pé: esta app dá-lhe os melhores roteiros pedestres autoguiados

Niel Tomodachi

A Walkbox é uma aplicação que gratuita lhe permite ser o seu próprio guia e descobrir, de forma autónoma e segura, lugares incríveis.

ara descobrir verdadeiramente a beleza de um local, não há nada que iguale a experiência de o percorrer e explorar a pé. Num País cheio de trilhos, de natureza, recantos e segredos, surgiu uma inovadora App de roteiros pedestres autoguiados que melhora a experiência de viagem, ajudando visitantes e locais a descobrir lugares incríveis e a vivenciar a cultura e a beleza do nosso território.

Lançada a 30 de setembro, a Walkbox é uma aplicação inteiramente produzida em Portugal que permite a qualquer pessoa ser o seu próprio guia; e descobrir, de forma autónoma e segura, lugares e locais, os seus pontos de interesse e histórias, com uma qualidade de conteúdos e nível de detalhe que a marca diz ser “sem precedentes”.

“Queremos inspirar as pessoas a passear mais a pé nas cidades, redescobrir o que muitas vezes está à nossa porta e desfrutar do contacto com a natureza”, explica à NiT Bernardo Henriques. O português de 55 anos é co-fundador da Travelbox Lda, a empresa detentora da App Walkbox, com sede em Oeiras.

Engenheiro doutorado do IST, este gestor e empreendedor, diretor geral da Travelbox e sócio maioritário, partilha a empresa com Pedro Andrade, de 55 anos, empresário e fundador de várias empresas de IT; e com Bernardo Pinto, 26 anos, fotógrafo e instagrammer com 64 mil seguidores, uma das páginas de fotografia pura (o fotógrafo não aparece nas fotos) com mais seguidores em Portugal: @ben.pinto.

Os três têm em comum várias paixões: por passeios na natureza, na montanha e na cidade, pela cultura e pela fotografia. Bernardo Henriques explica-nos ainda como sempre adorou mapas e roteiros. “Nos anos 90, fazia férias de montanha em BTT por trilhos nos Alpes e nos Pirenéus com cartas militares presas com molas da roupa ao guiador (lembrei-me disso agora, usava umas cartas alemãs maravilhosas!)”, conta.

 

Se este era um gosto inato, profissionalmente o empreendedor acumulou uma vasta experiência internacional na área tecnológica, em posições de gestão e cargos executivos em multinacionais. Até que, em 2003, criou a sua primeira startup na área dos microchips, a primeira financiada em 2005 pelo programa NEST do Estado, que foi comprada depois por uma multinacional irlandesa.

A ideia para a Walkbox surgiu depois. “Com a proliferação de websites e apps de viagens de conteúdo superficial e a consequente frustração de perdermos horas a pesquisar websites e a ler avaliações, vi que no mercado não existia uma forma fácil e eficaz para as pessoas descobrirem e conectarem-se com a essência dos lugares de forma autónoma e segura e melhorarem a sua experiência de visita”, adianta o fundador à NiT.

O objetivos da app são, por isso claros: em primeiro lugar, o de melhorar a experiência de viagem e ajudar visitantes e locais a conectarem-se profundamente com lugares incríveis e vivenciarem a cultura e a beleza do nosso País, de uma forma autónoma, segura e barata.

Em segundo, de “criar a App móvel de roteiros pedestres autoguiados líder em Portugal, com roteiros por todo o país, na cidade e na natureza”, explica o empresário. Depois há a expansão: “numa segunda fase iremos oferecer experiências completas, incluindo roteiros autoguiados e alojamento. Numa terceira fase, e depois de provar o conceito em Portugal, contamos expandir para outros países europeus, como Espanha, França e Itália”, adianta ainda.

A Walkbox tem cobertura nacional e foco local e oferece roteiros autoguiados dentro e fora das cidades para residentes locais, visitantes nacionais e turistas estrangeiros.

A app está disponível numa fase inicial gratuitamente, em português e em inglês. Esta primeira versão oferece 54 roteiros autoguiados em 8 regiões de Portugal, conta com 300 kms de percursos pedestres à escolha, mais de 1500 pontos de interesse descritos em pormenor com conteúdos exclusivos e fotografias originais. Serão adicionados regularmente novos roteiros e novas regiões graças à plataforma de produção de conteúdos desenvolvida pela Travelbox.

“Construímos esta solução com tecnologia e conteúdos 100 por cento portugueses e centenas de quilómetros palmilhados por ruas, montes e vales por uma equipa especializada focada na experiência do utilizador e apaixonada pela cultura e pela natureza do nosso país. E queremos disseminar esse conhecimento e transmitir essa paixão à comunidade de utilizadores da Walkbox, inspirando as pessoas a andar mais a pé nas cidades, redescobrir o que muitas vezes está à sua porta e desfrutar do contacto com a natureza”, conclui Bernardo Henriques.

Para experimentar e utilizar a app, só tem então de entrar no site e descarregar, para Android ou iOS. Neste momento a plataforma é aberta e serão adicionados continuamente mais roteiros e mais funcionalidades.

A partir da segunda metade de 2022, a Walkbox será oferecida com dois modos de funcionamento: a Walkbox Light: gratuito, com acesso aos roteiros e aos mapas mas com um nível de conteúdos base; e a Walkbox Premium: pago com uma subscrição mensal ou anual, com uma série de benefícios: mapas offline, textos detalhados, audioguia, vales de desconto eletrónicos etc. O valor das subscrições será, conclui Bernardo, anunciado no decorrer de 2022.

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Quotes:

“How wonderful it is that nobody need wait a single moment before starting to improve the world.” ― Anne Frank

Pesquisar

Nelson's bookshelf: currently-reading

Alfie - O Gato do Bairro
tagged: currently-reading

goodreads.com

2022 Reading Challenge

2022 Reading Challenge
Nelson has read 0 books toward his goal of 50 books.
hide

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Afiliado Wook

WOOK - www.wook.pt

Comunidade Bertand

Afiliado Miniso

Read the Printed Word!

Em destaque no SAPO Blogs
pub