Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Little Tomodachi (ともだち)

Little Tomodachi (ともだち)

02
Abr21

'Diário da Peste' escrito por Gonçalo M. Tavares editado em livro

Niel Tomodachi

O livro que recolhe o diário escrito por Gonçalo M. Tavares nas páginas de jornais, entre março e junho de 2020, sobre o dia-a-dia durante a pandemia, vai ser publicado este mês pela Relógio d'Água, anunciou hoje a editora.

17373198.jpg

Intitulado 'Diário da Peste - O Ano de 2020', o livro reúne as crónicas publicadas diariamente pelo escritor português Gonçalo M. Tavares no jornal Expresso, e em mais 15 países simultaneamente, "num esforço de cooperação editorial nunca antes visto", como se escreve na edição argentina do livro, que acrescenta que Tavares traz, com este 'Diário da Peste', "algo de novo para a literatura mundial".

Este "diário" foi editado, de março a junho de 2020, em diferentes países, revistas e 'sites', como a Granta inglesa e espanhola e o britânico Times Literary Supplement (TLS), e em revistas e jornais de todo o mundo.

O livro foi já editado na Argentina e vai sair em França, Grécia, Espanha, na Moldávia, no Canadá e nos Estados Unidos da América.

Escrito a cada dia acompanhando as tragédias e os acontecimentos do primeiro impacto da pandemia que mudou o mundo, o 'Diário da Peste' marcou literariamente o ano de 2020, acrescenta a editora portuguesa.

 

02
Abr21

Porto vai oferecer descontos a quem fizer compras no comércio local

Niel Tomodachi

Por cada 20€ em compras, a autarquia dá um desconto de 2€, graças a vales entregues aos comerciantes aderentes.

a6e78a82559612d5514c554539dc5488-754x394.jpg

Nunca o comércio local precisou de tanta ajuda, por isso mesmo, a Câmara Municipal do Porto decidiu arrancar com uma iniciativa para motivar os portuenses a fazerem compras nas lojas de sempre.

A proposta vai a votos na segunda-feira, 5 de abril, e deverá resultar no lançamento de uma campanha que irá entregar, a todos os comerciantes que o queiram, vales de desconto. Assim, quando os consumidores fizerem uma compra, a autarquia comparticipa o desconto de 2€ em cada 20€ de compras.

Os vales poderão ser entregues a “estabelecimentos comerciais, restaurantes, cafetarias, barbearias, salões de cabeleireiros e atividades de bem-estar físico” e serão válidos “exclusivamente, nos estabelecimentos comerciais com porta aberta para a rua e com dimensão nunca superior a 250 metros quadrados, incluindo restaurantes, cafetarias, esteticistas, cabeleireiros e barbeiros e que queiram tornar-se aderentes”, de 3 de maio a 30 de julho. Este desconto tem um limite máximo de 100€ por compra.

Esta não é a primeira vez que a Câmara Municipal do Porto lança uma campanha deste género. Já o tinha feito em dezembro, por altura do Natal, mas desta vez o projeto irá abranger ainda mais comércios.

 

02
Abr21

Há um filtro português no Instagram para promover a adoção animal

A iniciativa da SFA Cascais está a ser partilhada massivamente nas redes sociais.

Niel Tomodachi

f006829bcdc7cc979de37b7a8fa5436c-754x394.png

Chama-se “Adopt a Story” e permite levar os animais que estão à espera de uma família para dentro da casa de qualquer pessoa através do Instagram. Como? Com um filtro que pode ser usado nas stories com o objetivo de promover a adoção animal.

A iniciativa do Centro de Proteção Animal de Cascais, que integra a Associação São Francisco de Assis – Cascais (SFA Cascais) e o Centro de Recolha Oficial de Animais de Cascais quer sensibilizar a adoção de cães e gatos numa altura em que a pandemia nos obriga a estar em casa.

Desta forma, a partir da sua sala, cozinha ou quarto, pode ajudar a conseguir uma família para vários cães. Só tem de escolher um dos oito cães disponíveis no filtro e enquadrá-lo numa divisão da sua casa. Quando um destes animais for adotado, surge mais um candidato nos filtros. Em breve, vai estar disponível uma versão para gatos.

Lançado pela SFA e desenvolvido pela agência de publicidade NOSSA, o filtro está a ser usado massivamente, inclusive por influencers portuguesas.

 

02
Abr21

"Lisboa Judaica" de Sérgio Luís de Carvalho

Niel Tomodachi

350x (6).jpg

Sobre o Livro:

Segregação. Perseguição. Integração. É em torno destas três palavras que se construiu a história dos judeus em Portugal e em Lisboa. Uma história feita de momentos diversos e acontecimentos singulares, desde as épocas de dor e angústia até aos dias de solidariedade e de celebração.
Neste livro iremos narrar essas histórias em três grandes épocas: durante a Idade Média, a Idade Moderna e nos nossos dias.
Iremos percorrer os locais mais marcantes, referir os acontecimentos mais importantes, falar de homens e de mulheres que nesta cidade viveram, sobreviveram, prosperaram ou pereceram.
Através desta obra, o leitor fica a saber o que resta das judiarias na Lisboa contemporânea, como decorria um processo de auto de fé, como resistiram os judeus à Inquisição ou como contribuíram para o reino.
Lisboa Judaica conta uma história feita de gentes, de testemunhos, de património e de regras. Uma longa história que vem até aos nossos dias - e que pode ser também um alerta contra a intolerância.
Uma história muito nossa, afinal.

 

Sobre o Autor:

Sérgio Luís de Carvalho nasceu em Lisboa em 1959.
Licenciou-se em História (1981) e é mestre em História Medieval (1988). Profissionalmente é Diretor Científico do Museu do Pão.
Publicou os romances "Anno Domini 1348" (Edição C. M. S., 1990; Prémio Literário Ferreira de Castro 1989; finalista do Prémio Jean Monnet de Literatura Europeia, Cognac 2004 e finalista do Prémio Amphi de literatura Europeia Lille 2005), "As Horas de Monsaraz" (Campo das Letras, 1997), "El-Rei-Pastor" (Campo das Letras, 2000), "Os Rios da Babilónia" (Campo das Letras, 2003) e "Retrato de S. Jerónimo no seu Estúdio" (Campo das Letras, 2006).
Alguns dos seus romances estão traduzidos e publicados em França e Espanha. É ainda autor de vários livros de investigação histórica e literatura juvenil.

 

02
Abr21

O bolo de iogurte saudável (e delicioso) que se faz em menos de 10 minutos

Niel Tomodachi

A receita de Luísa Fortes da Cunha transporta-nos para a infância — sem comprometer o peso.

05aead93d32b2e1881d9e4888abb0e39-754x394.jpg

Não havia lanche na casa dos avós que não envolvesse bolo de iogurte. O sabor não importava: laranja, coco, ananás ou morango. Independentemente disso, lá estava ele, fofinho e pronto a ser devorado. Continuamos a adorar este tradicional bolo, mas já não conseguimos ignorar a quantidade de açúcar que representa.

A boa notícia é que foram surgindo versões mais saudáveis ao longo dos últimos anos. A mais recente pertence a Luísa Fortes da Cunha, autora da página “My Casual Brunch”, e é deliciosa. Bónus: prepara-se em menos de dez minutos e o resto do trabalho fica a cargo do forno.

O resultado.
 

“Está mesmo bom. Fofinho como se quer”, diz sobre o resultado final, acrescentando que colocou uma cobertura de nozes. Se preferir, pode cobrir com amêndoa picada.

Do que precisa

— Dois iogurtes naturais;
— Um copo do iogurte de azeite suave;
— Oito colheres de sopa de mel;
— Raspa de limão (q.b.);
— Quatro ovos;
— Dois copos de iogurte de farinha de espelta;
— Uma colher de chá de fermento em pó.
— Nozes ou amêndoas picadas (a gosto).

Como se faz

Numa taça bata os iogurtes com o azeite, o mel e a raspa de limão. Vá juntando os ovos um a um e, por fim, junte a farinha aos poucos.

Coloque numa forma untada ou forrada com papel vegetal ou, então, use uma forma de silicone. Leve ao forno, aquecido a 180 graus, durante 40 minutos.

 

01
Abr21

"O Quanto Amei" de Sara Rodi

Fernando Pessoa e as mulheres da sua vida

Niel Tomodachi

Novidade de Abril 2021

350x (12).jpg

Sobre o Livro:

« — Senhor Pessoa... Sente-se bem, senhor Pessoa?
Uns olhos grandes, de mulher, olham-no de forma perscrutante.
Dois universos a tentarem mergulhar nos seus.
— Bem, não posso dizer que me sinta. Se nem sei bem onde estou... Morri?
A mulher sorri, e sorriem também os seus olhos esverdeados, contorcidos em pequenas rugas de expressão que enchem o seu rosto de uma beleza sem artefactos.
— Não se preocupe, está do lado dos vivos. Mas dos vivos a precisarem de cuidados, para não irem para o lado de lá.»

28 de novembro de 1935. Fernando Pessoa dá entrada no Hospital de São Luís dos Franceses, em Lisboa, acometido de fortes dores no abdómen. A cumprir o seu turno, a enfermeira Alice procura tratar-lhe não só das dores físicas, mas também das maleitas da alma, desafiando-o a recordar a sua história, tão marcada pela presença de tantas figuras femininas.
Fernando Pessoa viveu a vida inteira rodeado de mulheres — e, ainda assim, reclamando da sua inabilidade para lidar com elas. As mulheres da família, como a mãe Maria, que parecia carregar o mundo às costas; as irmãs, que devolviam a Fernando Pessoa a sua infância perdida; Dionísia, a avó louca; as tias-avós «generalas»; a tia Anica e as sessões espíritas que organizava na sua casa... Também as mulheres com quem podia ter casado, como a eterna namorada Ofélia ou a inglesa Madge. As mulheres que o influenciaram, entre as figuras mais místicas do teu tempo e as escritoras que tentavam, tantas vezes em vão, afirmar-se. E as mulheres que o rodeavam: as empregadas, as vizinhas, as mulheres por quem morriam de amores os amigos...
Num tempo em que tanto se discutia o papel da mulher na vida pública e privada —, discussão que se arrasta até aos dias de hoje —, Fernando Pessoa é levado a questionar-se sobre a forma como cada uma das mulheres com quem se cruzou terá influenciado o seu percurso. A sua obra. O seu destino.

 

Sobre a Autora:

Sara Rodi publicou os primeiros livros no ano 2000, contando hoje com mais de 40 títulos para crianças e adultos. É também argumentista, tendo participado na criação e escrita de diversos produtos televisivos. Experimentou a apresentação no Canal S+ e participa regularmente como oradora em diversos encontros sobre os temas que a movem.

 

01
Abr21

Acreditar de Lisboa acolheu quase 1.700 famílias de crianças com cancro

Niel Tomodachi

Quase 1.700 famílias de crianças com cancro que tiveram de deixar a sua residência para acompanhar os tratamentos oncológicos dos filhos encontraram um lar e apoio na Casa Acreditar de Lisboa, que faz hoje 18 anos.

naom_58de8ed8cb298.jpgSituada junto ao Instituto Português de Oncologia (IPO), a Casa Acreditar de Lisboa abriu as portas às famílias e crianças com cancro em 01 de abril de 2002, tendo sido a primeira das três casas residenciais criadas também em Coimbra e no Porto, às quais se juntam um centro de dia no Funchal.

Desde então, já acolheu 1.695 famílias. Em 2020, recebeu 42 famílias, segundo a Acreditar - Associação de Pais e Amigos das Crianças com Cancro.

"Foi com enorme emoção que a primeira família entrou na Casa. Vinha de longe, o futuro era incerto e já tinha percorrido as pensões da Rua Professor Lima Basto e esgotado o capital de esperança", recordou a diretora-geral da Acreditar.

Margarida Cruz contou à Lusa que as crianças vinham para tratamento para os hospitais de referência, a grande maioria para o IPO de Lisboa, onde são tratados cerca de metade de todos os casos diagnosticados, e muitos pais não tinham onde ficar enquanto a criança estava em tratamento em ambulatório.

Os pais que fundaram a Acreditar em 1994 começaram a detetar que havia muitas famílias que ficavam alojadas, sobretudo, em pensões e noutros locais onde as crianças ficavam, às vezes, meses a fio num quarto com muito poucas condições com os pais, havendo também relatos dessa altura de pais que chegavam a dormir dentro de carros à porta do hospital.

"Foi com base nessa realidade tão dura que os pais que estavam na Acreditar resolveram, à semelhança do que já acontecia noutros países, criar uma casa de acolhimento para estas crianças enquanto estavam no tratamento e as suas famílias", contou Margarida Cruz.

Na Casa Acreditar, as crianças, os jovens e as suas famílias não pagam nada. Além de terem um quarto com uma casa de banho privativa, têm uma cozinha comum, salas de estar e uma lavandaria.

Têm também o apoio emocional que precisam para que "os tratamentos possam ser um bocadinho menos dolorosos e a vida destas famílias ser também bocadinho mais facilitada".

A permanência nas casas varia muito, dependendo da origem das famílias. Se vierem de uma região do continente ficam "uma média de 30 e poucos dias seguidos" se vierem dos Açores e da Madeira podem ficar cerca de um ano.

"Depois temos as famílias dos PALOP e dos países com os quais Portugal tem acordos de cooperação cuja estadia média ronda os três anos", referiu.

Segundo Margarida Cruz, a pandemia veio adiar a obra de alargamento da casa, que neste momento tem capacidade para 12 famílias em simultâneo e com o edifício cedido pela Câmara de Lisboa vai ser possível acolher mais 20 famílias.

"Estamos a ver se as coisas ficam mais tranquilas para podermos avançar, porque é muito necessária, mas tem que ser feita com segurança", declarou.

Fazendo um balanço destes 18 anos, Margarida Cruz disse que a Casa de Lisboa passou a ser "um refúgio de segurança, um local onde os miúdos e os graúdos recuperavam da dureza dos tratamentos, das esperas, das angústias tendo sempre à sua espera um voluntário sorridente, uma cozinha para preparar refeições, uma sala para brincar, um mimo em dias especiais".

"São 18 anos com tantas histórias que se cruzam e que nos permitem recordar, rir e chorar", rematou.

 

01
Abr21

Os novos cabazes de fruta e legumes feios que combatem o desperdício alimentar

Niel Tomodachi

The Equal Food Co junta produtos que são considerados imperfeitos para o mercado, mas estão em perfeito estado de consumo.

2cc12d692043665c55f1aa59f33f5aa7-754x394.jpg

Nos últimos meses, devido à pandemia, apareceram vários negócios com cabazes de fruta e legumes entregues em casa. O novo The Equal Food Co insere-se nessa categoria, mas também trouxe a hipótese de combater o desperdício alimentar, uma vez que na sua composição junta alimentos que são considerados imperfeitos para o mercado comum.

É através do site que pode fazer a encomenda dos cabazes que têm disponíveis. O peso é mais ou menos sempre o mesmo, com cerca de nove quilos. Os pedidos são feitos semanalmente até aos domingos e as entregas realizadas na zona de Lisboa sempre às quintas-feiras.

Já fizeram a entrega de mais de três mil cabazes e contribuíram para que 30 toneladas de alimentos não fossem desperdiçados. A recolha é feita junto de produtores locais, que desta forma conseguem escoar o que não vai para o mercado. Os principais motivos de imperfeição estão relacionados com o tamanho, a forma e a cor dos produtos.

Os produtos são sempre diferentes.
 

Apesar de não se apresentarem como os mais bonitos, são sempre ingredientes que estão em condições de serem consumidos. Em relação ao preço, a marca garante uma redução de 40 por cento ao praticado no mercado.

O projeto começou apenas com um cabaz e neste momento já conta com duas opções. Há o Equally Delicious Padrão (25,56€) e o Básico (15,90€). O padrão consegue juntar entre 18 a 20 produtos diferentes, sendo que quatro são superalimentos. Já o básico é composto por 14 a 16 produtos. E tem a hipótese de juntar ovos e cogumelos.

As frutas e legumes são sempre da época. No site consegue ver o que lhe poderá ser entregue, uma vez que não existe escolha de artigos, só mesmo do tipo de cabaz. Nesta altura é possível receber abacates, cogumelos, morangos, maçãs, kiwis, laranjas, beringela, brócolos, cenouras ou abóboras.

 

01
Abr21

Parque da Asprela: o novo “pulmão verde” do Porto abre em 2022

Niel Tomodachi

As obras deverão estar concluídas ainda no primeiro trimestre do próximo ano.

f4794cc5b4e22c317f3aa5a3ddcdb701-754x394.jpg

Propriedade da Universidade do Porto, os terrenos estavam abandonados há décadas. No verão passado, começaram as obras para um espaço que a autarquia do Porto destaca como um “pulmão verde” que vai reforçar a cidade. É no final do primeiro trimeste de 2022 que estará concluído o futuro Parque Central da Asprela.

Ao todo são cerca de seis hectares de área onde o verde do parque e o azul das águas se irão combinar. Estão previstas 650 novas plantações de árvores e arbustos, como destaca o Porto.pt, site de comunicação da Câmara Municipal do Porto, bem como 10 mil metros cúbicos de capacidade de retenção de água pluvial, e mais duas ribeiras.

O projeto na sua origem já previa que fosse possível controlar ativamente as cheias na ribeira de Asprela, através da criação de uma bacia de retenção. Serão ainda criados espelhos de água, que estarão ligados às estruturas verdes e aos percursos pedonais e de ciclismo.

A autarquia divulgou imagens captadas esta semana que dão conta da fase de construção em que o projeto (que demorou cerca de cinco anos a sair do papel) se encontra nesta altura.

 

01
Abr21

"A Bússola da Alimentação" de Bas Kast

Os 12 princípios científicos para uma alimentação saudável e uma vida mais longa

Niel Tomodachi

350x (4).jpg

Sobre o Livro:

Um livro que nos elucida todas as dúvidas sobre alimentação saudável, com base nos estudos científicos realizados até ao momento.

Emagreça de forma eficaz, previna doenças e retarde o envelhecimento com a ajuda da ciência .

O que devo comer? É uma pergunta simples cuja resposta, atualmente, se tornou muito complexa. E se eu experimentasse a dieta paleo? Ou a dieta low carb? Ou a low fat? Ou, talvez, a dieta keto ou uma dieta sem glúten? Muito do que achamos ser uma alimentação saudável poderá estar, na verdade, a fazer-nos mal.

Bas Kast explica como sair deste caos provocado pela batalha das dietas, ao colocar de lado as tendências da moda e as ideologias muitas vezes contraditórias. E dá resposta às perguntas-chave: O que fazer para perder peso de forma duradoura? Poderemos evitar os típicos padecimentos da idade? É possível «rejuvenescermos» com a ingestão de determinados alimentos?

A Bússola da Alimentação é a síntese dos resultados de estudos científicos realizados nas últimas décadas sobre nutrição e envelhecimento, descrevendo as bases para uma alimentação que previne o aparecimento de doenças típicas da idade e mantém o corpo em forma durante mais tempo.

Não perca o rumo da sua saúde.
Saiba a resposta a todas as perguntas sobre alimentação.

 

Sobre o Autor:

Bas Kast é um jornalista e escritor alemão. Estudou Psicologia e Biologia nas universidades de Konstanz e de Bochum, na Alemanha, e ainda no MIT, nos EUA. Iniciou-se no jornalismo como freelancer no jornal Die Zeit e em várias revistas, tornando-se mais tarde editor e repórter no jornal Der Tagesspiegel.
Depois de receber o diagnóstico de um problema cardíaco, propôs-se mudar radicalmente a sua alimentação, a fim de se curar, e iniciou uma viagem de vários anos à descoberta da investigação científica mais recente em torno do envelhecimento e da alimentação. É autor de vários livros de divulgação científica, alguns deles já traduzidos em diversas línguas.

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Quotes:

“How wonderful it is that nobody need wait a single moment before starting to improve the world.” ― Anne Frank

Pesquisar

Nelson's bookshelf: currently-reading

Alfie - O Gato do Bairro
tagged: currently-reading

goodreads.com

2023 Reading Challenge

2023 Reading Challenge
Nelson has read 11 books toward his goal of 55 books.
hide

Arquivo

    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Afiliado Wook

WOOK - www.wook.pt

Comunidade Bertand

Afiliado Miniso

Read the Printed Word!

Em destaque no SAPO Blogs
pub